Image and video hosting by TinyPic

Visite-nos também no 

1 a 5-8-2012 - Viagem aos Pirinéus

O nosso objetivo era o de subir ao Pico do Aneto no menor espaço de tempo possível, dados os condicionalismos financeiros e laborais que afectavam cada um de nós. Assim, desde logo decidimos que a estadia nos Pirenéus seria o mais breve possível e apenas seria prolongada se conseguíssemos encontrar uma actividade complementar de montanha que nos impelisse de tal forma que fosse irrecusável. Estávamos a pensar, é claro, numa via Ferrata.

Mas até chegarmos a esse ponto tínhamos de nos concentrar no nosso objetivo primordial que era ascender ao Pico Aneto.

 

Gizámos então a estratégia de fazer tudo em quatro dias e se algo corresse mal (condicionalismos atmosféricos) salvaguardaríamos ainda um dia adicional para obviar essa dificuldade. Partimos de Lisboa numa quarta-feira (1 de agosto) e após 12 horas de viagem com o carro completamente carregado (atulhado) chegámos ao parque de Bungalows a 15Km de Benasque – Castejon de Sos onde pernoitaríamos. Uma ceia tardia foi compensação suficiente para o Grupo pela qualidade e requinte da comida e serviço como ainda pelo preço.

 

Dormimos desalmadamente e voltámos a colocar todos os nossos pertences no carro para ir a Benasque visitar a loja de material de montanha ali existente e tomar um almoço cheio de hidratos de carbono para posteriormente subir ao refúgio de Renclusa (40 minutos de subida). Não subimos para o local mais próximo do trilho do Refúgio (Bezurta) sem antes ter novamente visitado a loja de material e adquirido os equipamentos de última hora que nos faziam as delícias e geravam tentações. Pequenas aquisições que fazem toda a diferença em altitude.

 

Uma camioneta levou-nos do estacionamento perto de Llanos del Hospital até Bezurta fazendo os cerca de 4Km em apenas 5 minutos. Foi muito conveniente pois não se pode circular com viatura própria. A camioneta faz o percurso de meia em meia hora até às 21 horas no verão. Esperava-nos uma refeição soberba no refúgio à qual se seguiu uma noite descansada mas com alguma ansiedade. Os quartos do refúgio foram todos remodelados e as condições atualmente assemelham-se a pequenos chalets de montanha. As casas de banho até estão anexas aos quartos em vez de serem no exterior. Pequenos luxos a que rapidamente nos habituámos.

 

Despertar às 6:00 horas e saída após pequeno-almoço pelas 7:15 horas (horas espanholas). Foram precisas 7 horas e vinte minutos para chegarmos ao cume mas até lá passámos pelo Portillón Superior e atravessámos o Glaciar que desta feita fazia jus ao seu nome exibindo uma face de gelo rijo apenas entrecortado por riachos de água do degelo. Verdadeira paisagem alpina no maior dos cumes dos Pirenéus (3400 m). As sucessivas margens rochosas que entrecortavam o Glaciar obrigavam a repetidas manobras de calçar e descalçar os crampons que só nos atrasavam mas que também serviam para dar mais um dedo de conversa e beber um gole de água. Pelas 14:30 chegámos ao topo e tínhamos pela frente a tão falada e desafiante ponte de Mahoma. Com calma e convicção chegámos ao cume pelas 14h45. Após uns abraços e fotos lá retomámos a descida de volta até ao Refúgio da Renclusa.

 

Chegámos eram 19h45 com as pernas a reclamarem por descanso. Uma cerveja retemperadora e lá fizemos mais meia hora de caminho até à camioneta das 21 horas que nos levou ao parque de estacionamento da viatura. Foram ao todo 14 horas seguidas de atividade com uma carga que oscilava entre os 8 e os 10 quilos, consoante a quantidade de água que cada um apostou que iria necessitar.

 

No dia seguinte começamos a viagem de regresso pelas onze horas locais e chegamos a Lisboa pelas 24 horas numa viagem quente (38ºC) mas despreocupada e confortável. Inacreditável foi como tudo correu bem sem desaires nem acidentes. Correu como planeado e até o tempo ajudou não estando nem muito quente nem muito frio. Uma atividade em perfeição com gente serena em sintonia.

 

Carlos Teixeira

 

 

O Aneto é o pico mais alto dos Pirinéus, atingindo a altitude de 3404 m. Faz parte do maciço Maladeta situado na zona do vale de Benasque e é constituído por terrenos paleozóicos de natureza granítica e materiais mesozóicos que lhe servem de cobertura. Situa-se no Parque Natural Posets-Maladeta, município de Benasque, província de Huesca, comunidade autónoma de Aragão. Na sua face norte, a partir dos 2810 m aproximadamente, fica o maior glaciar dos Pirinéus, com cerca de 100 hectares de superfície. Está, como muitos outros em todo o mundo, em franca regressão como consequência da mudança climática. Calcula-se que nos últimos 100 anos tenha perdido mais de metade da sua área, e que em 30 a 40 anos possa mesmo desaparecer.

 
 

O uso de crampons, mais do que o uso de piolet, revelou-se imprescindível. Não teríamos conseguido atravessar o Glaciar se não os tivéssemos levado. O uso de piolet não se impôs mas houve momentos onde o seu manejo deu confiança aos elementos do grupo pois o terreno embora não sendo muito inclinado também não impediria um deslize de muitos metros se este acontecesse. O uso de bastões em glaciar tem o efeito perverso (falsa segurança) de permitir algum equilíbrio adicional na marcha mas não contribuir em nada para a travagem em caso de queda ou deslize.

O ambiente foi o de alta montanha (estival) com o que isso implica ou seja o uso de agasalhos, luvas e até gorro.

Assistimos a um resgate de helicóptero em glaciar devido a um montanheiro que torceu um pé e teve de ser evacuado. O ambiente neste glaciar é bastante hostil dada a quantidade de calhau solto e de grande dimensão sobre o qual é necessário progredir. O resgate por helicóptero em Aragón é gratuito (por enquanto).